terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Nazaré e a censura


VILA FRANCA DE XIRA – No âmbito da exposição “Manuel Guimarães, sonhador indómito”, patente no Museu do Neo-Realismo até 30 de Abril do próximo ano, o Museu desenvolve uma programação complementar que inclui um Ciclo de Cinema – Filmografia de Manuel Guimarães e Colóquios temáticos sobre a obra artística e cinematográfica daquele realizador e artista plástico.

Neste âmbito, no próximo dia 10 de dezembro, pelas 21h00, realizar-se-á mais uma sessão de cinema, com a exibição do filme Nazaré, 1952 (84 min.), sob o tema Censura no Cinema, com comentário de Leonor Areal, curadora da Exposição.

Nazaré tem argumento do escritor Alves Redol e conta a história da pobre comunidade piscatória da Nazaré, das suas tragédias, conflitos e dramas colectivos.

http://local.pt/portugal/exposicao-manuel-guimaraes-sonhador-indomito-em-vila-franca-de-xira/

sábado, 5 de dezembro de 2015

Entrevista sobre Manuel Guimarães

Entrevista a Leonor Areal por Paulo Alves Guerra no programa Império dos Sentidos de 3 de Dezembro de 2015 na Antena 2.


quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Retratos por "Gui" (Manuel Guimarães)

Fernando Namora e Bernardo Santareno

 
Quadros originais em exposição no Museu do Neo-Realismo,
pertencentes ao acervo da FBAUP - Faculdade de Belas-Artes da Universidade do Porto.

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Intróito à exposição no Museu do Neo-Realismo


«Nos cem anos do seu nascimento e passados quarenta sobre a sua morte, Manuel Guimarães é ainda um quase desconhecido. Esta exposição vem fazer luz sobre um cineasta importante e ingloriamente malogrado.

Único realizador neo-realista do cinema português, deixou uma obra ímpar, construída tenazmente contra todas as adversidades e mutilada sem perdão pela Censura de antanho.

Manuel Guimarães morreu precocemente em 1975 – pouco depois de ter podido respirar a liberdade – e o último filme que rodou em 1974, já após a revolução, não pôde acabá-lo. Quem desaparece esquece, e assim a sua memória se diluiu no negrume torturado desses anos da ditadura que já ninguém queria lembrar, época triste, tempo sem regresso.

É a memória deste homem extraordinário, "indómito sonhador", como lhe chamou seu filho, que aqui se procura resgatar.»

(Texto de apresentação da exposição por Leonor Areal)

EXPOSIÇÃO patente no Museu do Neo-Realismo até 30 de Abril de 2016
Rua Alves Redol nº45 2600-009 Vila Franca de Xira

Horário:
3ª a 6ª feira: 10h00 – 18h00
Sábados e Domingos: 10h00 – 19h00
Encerra às segundas-feiras e feriados
Telefone: 263285626 
Mais info


sexta-feira, 20 de novembro de 2015

Colóquio sobre "Contexto Social e Artístico"



Com as presenças de Mário Jorge Torres e António Pedro Pita, precedido da exibição do filme "Fernando Namora", no âmbito da exposição "Manuel Guimarães, sonhador indómito".

Sábado, 21 Novembro 2015, 15h00, no Museu do Neo-Realismo

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Programação complementar - Exposição “Manuel Guimarães, sonhador indómito”


«No âmbito da exposição Manuel Guimarães, sonhador indómito, patente no Museu do Neo-Realismo até 30 de Abril do próximo ano, o Museu desenvolve uma programação complementar que inclui um Ciclo de Cinema - Filmografia de Manuel Guimarães e Colóquios temáticos sobre a obra artística e cinematográfica daquele realizador e artista plástico.
A escolha dos temas a debater nos colóquios, complementados com a exibição de filmes e documentários, assim como a visualização de alguns filmes de Manuel Guimarães integrados no Ciclo de Cinema, procura suscitar no visitante uma efectiva redescoberta de um cineasta e artista que amou o cinema sobre todas as coisas porque nele viu a possibilidade estética por excelência do século XX de dar forma a uma profunda paixão pela liberdade. Redescoberta. também, de um dilema - as relações entre o neorrealismo e o cinema - que ainda hoje continua a interpelar-nos e
que Manuel Guimarães tão bem materializou nos seus filmes, num percurso de mais de três décadas, criando assim uma obra única, apesar dos cortes impiedosos da Censura do Estado Novo.»
(da Newsletter do MNR - Nov. 2015)

Ciclo de Cinema | Filmografia de Manuel Guimarães
19 novembro’15 [quinta-feira] 21h00
Exibição do filme Saltimbancos, 1951 (92 min.).
Com comentário de Leonor Areal, curadora da exposição, sobre o tema Neorrealismo no Cinema.

Colóquio | Contexto Social e Artístico
21 novembro’15 [sábado] 15h00
Com as presenças de Mário Jorge Torres, Professor Associado no Departamento de Estudos Anglísticos da Faculdade de Letras e Investigador do Centro de Estudos Comparatistas da Universidade de Lisboa e de António Pedro Pita, Diretor Científico do Museu do Neo-Realismo.
Exibição do filme Fernando Namora, 1969 (12 min.).

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

Saltimbancos em Albergaria-a-Velha

Sexta-feira, dia 6 de Novembro, ocasião especial para ver o primeiro filme do cineasta de Valmaior, Manuel Guimarães - 1915-1975, numa grande tela de cinema. É às 21h00 no Cineteatro Alba, onde continua patente até final de Dezeembro a exposição itinerante «Descobrir Manuel Guimarães».


Folheto de lançamento de "Saltimbancos", cuja estreia ocorreu no Porto em 24 de Outubro de 1951, no cinema Batalha, e depois em Lisboa, no Cinema Éden, em 25 de Janeiro de 1952.


quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Aparição

 
Manuel Guimarães na Tobis, durante a rodagem de O Crime de Aldeia Velha (1963-64).

(imagem de arquivo inserida no documentário «Tobis Portuguesa» (2010), de Manuel Mozos, acessível no Youtube, com sinopse na RTP, onde passou em 9-9-2012)

segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Inauguração da exposição «Manuel Guimarães, sonhador indómito» no Museu do Neo-Realismo


Integrada nas comemorações do centenário do nascimento do cineasta Manuel Guimarães, inaugura no próximo sábado, 17 de Outubro, às 16 horas, no Museu do Neo-Realismo, a Exposição “Manuel Guimarães, sonhador indómito”.

Tal como nos refere a curadora da exposição, Leonor Areal, “Esta exposição vem fazer luz sobre um cineasta importante e ingloriamente malogrado. Único realizador neo-realista do cinema português, deixou uma obra ímpar, construída tenazmente contra todas as adversidades e mutilada sem perdão pela Censura de então”.

A Exposição, que ocupa todo o piso 1 do Museu, estará patente até 30 de Abril de 2016.

http://local.pt/portugal/inauguracao-da-exposicao-manuel-guimaraes-sonhador-indomito-em-vila-franca-de-xira/

Antecipação


A exposição "Manuel Guimarães, sonhador indómito" em montagem no Museu do Neo-Realismo para a abertura no sábado, dia 17, pelas 16 horas.

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Exposição «Descobrir Manuel Guimarães» em Albergaria-a-Velha


Inaugurou no dia 2 de Outubro, no Cineteatro Alba, a exposição itinerante «Descobrir Manuel Guimarães», com curadoria de Leonor Areal e execução técnica da Cinemateca Portuguesa.

Entre Outubro e Dezembro a Câmara Municipal homenageia o cineasta - natural da aldeia de Valmaior, concelho de Albergaria-a-Velha - com várias acções, sendo a primeira uma conversa com investigadores que estudaram a obra de Manuel Guimarães, seguindo-se uma visita à exposição comemorativa.

Durante o trimestre haverá ainda um ciclo de cinema e visitas orientadas para grupos escolares.

Ciclo de Cinema Manuel Guimarães
6 Novembro – “Saltimbancos” – 1952, 95 min., M/12

http://www.cineteatroalba.com/centenario-de-manuel-guimaraes-1915-1975-2/ 

P.S. Visita guiada: http://novos-arruamentos.blogspot.pt/2015/10/descobrir-manuel-guimaraes.html

terça-feira, 29 de setembro de 2015

Eventos em Albergaria-a-Velha

Comemoração do Centenário de nascimento de Manuel Guimarães
2 de Outubro de 2015 no Cineteatro Alba, em Albergaria-a-Velha


Programa

18h30  Colóquio sobre Manuel Guimarães abordando as suas raízes em
Albergaria-a-Velha (Valmaior), o significado da sua obra e da sua luta
pessoal, com a presença de: Prof.a Dra. Leonor Areal, Miguel Cardoso, Prof. Dr. Carlos Braga (equipa de investigação)

19h30  Visita comentada à Exposição Descobrir Manuel Guimarães

21h00  Filme "Nazaré"-1952, 85 min., M/12  - Gratuito
(integrado no ciclo de cinema)

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Centenário no Museu do Neo-Realismo


Centenário do nascimento de Manuel Guimarães, assinalado com exposição no MNR
Inaugura no Museu do Neo-Realismo a 17 de outubro a exposição “Manuel Guimarães – Sonhador Indómito”, mostra comemorativa do centenário do nascimento do cineasta (1915 – 1975), que terá a curadoria de Leonor Areal.
Manuel Guimarães, que desde cedo se interessou pelo cinema, destacou-se ao longo da sua carreira pela aplicação dos princípios neo-realistas à sétima arte, o que levou a que parte da sua filmografia tenha sido objecto de censura. Foi o autor, entre muitas outras obras, do filme “Nazaré”, com argumento do escritor neo-realista Alves Redol.
A par do cinema, Manuel Guimarães dedicou-se também à pintura, bem como ao grafismo e à ilustração, em jornais e outras publicações.

(anunciado no Boletim Municipal de Vila Franca de Xira: http://www.cm-vfxira.pt/pages/619)

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

Centenário de Manuel Guimarães em Albergaria-a-Velha


02 outubro 2015 | sexta-feira | 19h00
Multidisciplinar | CTAlba – Espaço Café-Concerto

Centenário de Manuel Guimarães (1915-1975)
Gratuito
Nascido em Valmaior (Albergaria-a-Velha) há 100 anos, Manuel Guimarães foi um realizador que se destacou pela aplicação dos princípios da corrente neorrealista ao cinema. Entre outubro e dezembro a Câmara Municipal homenageia o cineasta com várias ações, sendo a primeira uma conversa com investigadores que estudaram a obra de Manuel Guimarães, seguindo-se uma visita à exposição comemorativa. Durante o trimestre haverá ainda um ciclo de cinema e visitas orientadas para grupos escolares.

Ciclo de Cinema Manuel Guimarães
21h00 – Gratuito, sujeito a levantamento de ingresso e à lotação da sala
02 outubro –  “Nazaré” – 1952, 85 min., M/12
06 novembro – “Saltimbancos” – 1952, 95 min., M/12

http://www.cineteatroalba.com/centenario-de-manuel-guimaraes-1915-1975/

domingo, 13 de setembro de 2015

Festa do Avante


Manuel Guimarães - que secretamente se considerava comunista, embora não filiado no PCP - foi evocado no seu centenário durante a Festa do Avante, que decorreu nos dias 4, 5 e 6 de Setembro.

Constaram da programação do CineAvante deste ano três momentos de evocação: dos 70 anos da vitória sobre o nazi-fascismo, de comemoração do centenário do nascimento de Manuel Guimarães e de homenagem a Manoel de Oliveira, recentemente falecido.

No dia 5, foi projectado o filme Nazaré: http://www.festadoavante.pcp.pt/2015/nazare

«Plasticamente, NAZARÉ apresenta afinidades com o neorrealismo italiano no modo como explora os conflitos entre pescadores bem como a sua umbilical ligação ao lugar a que pertencem. Longe do folclore pitoresco associado pelo Estado Novo à Nazaré, é sobretudo na sua comunidade e à sua dimensão trágica que Guimarães se centra. Alves Redol escreveu o argumento e os diálogos, num filme muito massacrado pela censura.»

Nuno Franco sobre Manuel Guimarães: https://youtu.be/KtXWL9dgEz8?t=1m19s
Mais info :http://arte-factos.net/2015/08/24/cinema-portugues-na-festa-do-avante/ 

sábado, 22 de agosto de 2015

Aniversário


O dia do centésimo aniversário de Manuel Guimarães foi assinalado a 19 de Agosto em Albergaria-a-Velha com uma tertúlia promovida pelo Clube de Albergaria, com a presença de Álvaro Rui Tavares, Jose Carlos Oliveira e Sérgio Pereira.

«Numa conversa participada, celebram-se os 100 anos do nascimento do Albergariense que foi dos cineastas mais inovadores na sétima arte e procura-se prestar o tributo a um dos maiores realizadores portugueses cuja obra, talento e genialidade foram particularmente fustigados pela ditadura Salazarista».

https://www.facebook.com/clubedealbergaria
http://imagensdealbergaria.blogspot.pt/2015/08/tertulia-de-homenagem-manuel-guimaraes.html

sexta-feira, 17 de julho de 2015

Exposição na Cinemateca


Continua visível a exposição sobre Manuel Guimarães, com curadoria de Leonor Areal e pesquisa de Carlos Braga, Miguel Cardoso e Rafael Prata, em colaboração com o Museu do Neo-Realismo e com o apoio da Cinemateca.

quarta-feira, 1 de julho de 2015

Mesa-redonda sobre Manuel Guimarães


Com Mário Jorge Torres, Lauro António, Leonor Areal, Paulo Miguel Martins, David Santos, Paulo Cunha, Miguel Cardoso e moderação de Joana Ascensão (da direita para a esquerda), em 29 de Junho de 2015 na Cinemateca.

http://www.cinemateca.pt/Cinemateca/Noticias/Mesa-redonda---Rever-Manuel-Guimaraes.aspx

terça-feira, 30 de junho de 2015

HOJE: Entrevista com o realizador de Cântico final

30-06-2015, 18h30 | Sala Luís de Pina
Rever Manuel Guimarães

Em colaboração com o Museu do Neo-Realismo
CÂNTICO FINAL
de Manuel Guimarães, Dórdio Guimarães
com Ruy de Carvalho, Manuela Cardo, Fernando Curado Ribeiro
Portugal, 1975 - 110 min | M/12
Anúncio de retrospectiva em Junho 1976
Adaptação do romance homónimo de Vergílio Ferreira, CÂNTICO FINAL é também um testamento em que Manuel Guimarães se projecta na personagem de Mário Gonçalves (Ruy de Carvalho), um professor de liceu ameaçado de morte devido a um cancro, e que regressa à aldeia onde nasceu, na Serra da Estrela, para aí passar os últimos dias. Manuel Guimarães já não acabou o filme (Produções Cinematográficas Manuel Guimarães), concluído por seu filho, Dórdio Guimarães. A apresentar numa cópia resultante do processo de preservação de 2004.

ANTECEDIDO de uma entrevista com Manuel Guimarães realizada para a RTP no programa  “DAS ARTES E OFÍCIOS” (1974, 16 min), em que Guimarães fala do desejo e da impossibilidade de realizar "Alegria Breve" do escritor Virgílio Ferreira e da realização de "Cântico Final", da adaptação livre da obra, da sua relação com Virgílio Ferreira, do prazer extraordinário de realizar e montar um filme, da destruição de negativos pela censura e da recuperação dos filmes estropiados pelos censores, do filme "Vidas sem rumo" com diálogos do escritor Alves Redol e dos realizadores que admira, salientando a sua amizade com Fellini. . São também mostradas imagens de Guimarães em rodagem.

http://www.cinemateca.pt/Programacao.aspx?id=4210

domingo, 28 de junho de 2015

AMANHÃ: Duas entrevistas com Manuel Guimarães, seguidas de mesa-redonda

Segunda-feira, 29 de junho às 18h30 na Cinemateca


No âmbito do Ciclo “Rever Manuel Guimarães”, tem lugar  na Sala Luís de Pina uma mesa redonda em que se discutirá o cinema do autor.

A introduzir a sessão apresentam-se duas entrevistas raríssimas com Manuel Guimarães realizadas para a RTP no contexto dos programas “Cinema 72”(1972, 17 min) e “Das Artes e Ofícios” (1974, 16 min), em que Guimarães fala de vários dos seus filmes ou aborda a sua relação com os cineastas mais velhos, com os quais começou a trabalhar, e com a geração do Cinema Novo. São também mostradas imagens de Guimarães em rodagem.
O encontro conta com a participação de vários investigadores que têm trabalhado sobre a obra de Manuel Guimarães como Leonor Areal, Lauro António, Mário Jorge Torres, David Santos, Miguel Cardoso, Paulo Miguel Martins, Paulo Cunha, e moderação de Joana Ascensão.

Trata-se de uma discussão que se pretende alargada quase no final da retropectiva integral dos filmes de Guimarães, que termina no dia seguinte, no mesmo horário, com a exibição de "Cântico Final".
A entrada é gratuita, mediante o levantamento de ingressos na bilheteira.

Mesa redonda - Rever Manuel Guimarães Mesa redonda - Rever Manuel Guimarães

no topo: fotografia de Manuel Guimarães, por Maria Eduarda Colares
esquerda: Benjamim Falcão, João Maria Tudela, Rui de Carvalho, Rui Luis, Abel Escoto, Manuel Guimarães e Clarisse Guimarães na rodagem de Cântico Final (Manuel Guimarães, 1974/75)
direita: Saltimbancos (Manuel Guimarães, 1951)

sábado, 27 de junho de 2015

HOJE: Lotação Esgotada e documentários "patrocinados"

27-06-2015, 18h30 | Sala Luís de Pina
Rever Manuel Guimarães

Em colaboração com o Museu do Neo-Realismo
O RITMO NA VIDA | EXPRESSOS “LISBOA-MADRID” | LOTAÇÃO ESGOTADA
duração total da sessão: 119 min | M/12


O RITMO NA VIDA
Portugal, 1968 – 11 min
EXPRESSOS “LISBOA-MADRID”
Portugal, 1969 – 14 min
de Manuel Guimarães
LOTAÇÃO ESGOTADA
de Manuel Guimarães
com Artur Semedo, Miguel Franco, Luísa Neto, Edith Sarah, Ana Elsa
Portugal, 1972 – 94 min

Da última fase da sua obra, concluída com CÂNTICO FINAL alguns anos depois, este filme de Manuel Guimarães (realizador e produtor) tem argumento e diálogos de Mário Braga a partir de uma ideia de Artur Semedo, fotografia de Abel Escoto e música de António Victorino d’Almeida. Trata-se de um filme ambientado numa localidade fictícia, a Casconha, cujo cemitério local está cheio (“lotação esgotada”) sendo a construção do novo cemitério a grande obra do mandato do presidente da câmara, cujo corolário, a inauguração, é retardada pela vitalidade dos habitantes do município. Metáfora crítica da sociedade portuguesa da época, LOTAÇÃO ESGOTADA foi um filme particular e injustamente mal recebido na altura.

Antecedem-no as curtas-metragens promocionais O RITMO NA VIDA (patrocinada pelo então BESCL-Banco Espírito Santo e Comercial de Lisboa) e EXPRESSOS “LISBOA-MADRID” (patrocinado pela Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses).

http://www.cinemateca.pt/programacao.aspx?id=4208&date=2015-06-27

sexta-feira, 26 de junho de 2015

HOJE: Fernando Namora vai ao cinema

26-06-2015, 18h30 | Sala Luís de Pina
Rever Manuel Guimarães

Em colaboração com o Museu do Neo-Realismo
FERNANDO NAMORA | O TRIGO E O JOIO
duração total da sessão: 112 min | M/12

FERNANDO NAMORA
de Manuel Guimarães
Portugal, 1969 – 12 min
O TRIGO E O JOIO
de Manuel Guimarães
com Eunice Muñoz, Igrejas Caeiro, Mário Pereira, Barreto Poeira
Portugal, 1965 – 90 min

Produzido pelos Artistas e Técnicos Associados, a Tobis Portuguesa, António da Cunha Telles e Guimarães, O TRIGO E O JOIO é uma adaptação do romance homónimo de Fernando Namora, assinada pelo próprio escritor. Um drama sobre uma família de agricultores em que o chefe desbarata na feira o dinheiro destinado à compra de uma burra, indispensável à labuta no campo. A realização é despojada e moderna. A abrir a sessão, produzido por Ricardo Malheiro, FERNANDO NAMORA (primeira exibição na Cinemateca) retrata a vida e obra do escritor, que surge num testemunho filmado.

http://www.cinemateca.pt/programacao.aspx?id=4207&date=2015-06-26

quinta-feira, 25 de junho de 2015

HOJE: Curtas-metragens sobre artistas plásticos

25-06-2015, 18h30 | Sala Luís de Pina
Rever Manuel Guimarães

Em colaboração com o Museu do Neo-Realismo
MANUEL GUIMARÃES | CURTAS-METRAGENS ARTISTAS PLÁSTICOS
duração total da sessão: 104 min | M/12
sessão apresentada por David Santos 
 
 
O DESTERRADO – VIDA E OBRA DE SOARES DOS REIS
com José Amaro, Dórdio Guimarães, Silva Araújo
Portugal, 1949 – 28 min
ANTONIO DUARTE
Portugal, 1969 – 20 min
RESENDE
Portugal, 1969 – 24 min
CARTA A MESTRE DÓRDIO GOMES
Portugal, 1971 – 16 min
AREIA MAR – MAR AREIA
Portugal, 1972 – 16 min
de Manuel Guimarães

O alinhamento da sessão reúne cinco títulos documentais de curta-metragem dedicados a artistas plásticos. Obra inaugural de Guimarães na realização, com argumento de Fernando Fragoso baseado em obras de Diogo Macedo, O DESTERRADO (prémio Paz dos Reis) é uma dramatização biográfica da vida e obra de Soares dos Reis. ANTONIO DUARTE e RESENDE são dois títulos da série “Artes e Letras”, produzidos por Ricardo Malheiro. Em ambos se entrevistam os artistas, Antonio Duarte e Júlio Resende, tendo o segundo comentário e locução de Virgílio Ferreira. Os dois últimos são produzido pelo próprio Guimarães: com comentário de Dórdio Guimarães e locução de Gomes Ferreira, CARTA A MESTRE DÓRDIO GOMES centra-se na vida e obra do artista referenciado no título; AREIA MAR – MAR AREIA constrói-se à volta da vida e obra do escultor Joaquim Martins Correia, e também do seu testemunho, por ocasião de uma exposição organizada na Sociedade Nacional de Belas Artes, em Lisboa. AREIA MAR – MAR AREIA e RESENDE são primeiras exibições na Cinemateca. David Santos, diretor do Museu Nacional de Arte Contemporânea, apresenta a sessão.

http://www.cinemateca.pt/programacao.aspx?id=4206&date=2015-06-25

quarta-feira, 24 de junho de 2015

HOJE: O Crime de Aldeia Velha


24-06-2015, 18H30 | SALA LUÍS DE PINA - CINEMATECA
REVER MANUEL GUIMARÃES

EM COLABORAÇÃO COM O MUSEU DO NEO-REALISMO
O CRIME DE ALDEIA VELHA
de Manuel Guimarães
com Barbara Laage, Rogério Paulo, Mário Pereira, Maria Olguim, Rui Gomes, Glicínia Quartin
Portugal, 1964 - 115 min | M/12

Adaptação de uma peça de Bernardo Santareno, por sua vez inspirada num facto verídico, ocorrido no norte do país em 1933*. A história de uma mulher que se julga possessa e que é queimada numa fogueira pelo povo da aldeia como forma de exorcismo, depois de dois homens se terem suicidado por amor dela. Um requisitório contra a superstição num dos filmes mais interessantes de Manuel Guimarães. Seis anos depois de A COSTUREIRINHA DA SÉ, o regresso de Guimarães às longas-metragens de ficção, faz-se com António da Cunha Telles como produtor (produção para a Tobis Portuguesa), no mesmo ano de BELARMINO de Fernando Lopes, que com OS VERDES ANOS de Paulo Rocha (produções Cunha Telles) abriram o caminho do “Cinema Novo Português”. A apresentar numa cópia resultante do processo de preservação de 1997.


* sobre o caso real ver aqui

terça-feira, 23 de junho de 2015

HOJE: Artistas do Porto

23-06-2015, 18h30 | Sala Luís de Pina
Rever Manuel Guimarães

Em colaboração com o Museu do Neo-Realismo
ARTES GRÁFICAS | O ENSINO DAS BELAS ARTES | O PORTO, ESCOLA DE ARTISTAS
duração total da sessão: 73 min | M/12
sessão apresentada por David Santos
ARTES GRÁFICAS
Portugal, 1967 – 26 min
O ENSINO DAS BELAS ARTES
Portugal, 1967 – 21 min
O PORTO, ESCOLA DE ARTISTAS
Portugal, 1967 – 26 min
de Manuel Guimarães

O alinhamento da sessão reúne três curtas-metragens documentais realizadas por Guimarães para a série “Portugal de Agora” produzida pelo SNI-Secretariado Nacional de Informação. Dedicados a “temas artísticos”, os três títulos não deixam de estar marcados pelo seu crivo de filmes de propaganda. Em ARTES GRÁFICAS, faz-se um panorama da atividade na época, em Lisboa e no Porto, com ênfase no cartaz, nas revistas e livros bem como no ensino e nas instituições a ela ligadas. O ENSINO DAS BELAS ARTES concentra-se na Escola de Belas Artes do Porto, também referenciada em O PORTO, ESCOLA DE ARTISTAS, igualmente filmado no Museu Soares dos Reis e em que, para além das obras aí expostas de pintores e escultores portuenses, se filmam, nos seus respetivos estúdios, Dórdio Gomes, António Cruz, Guilherme Camarinha, Augusto Gomes, Amândio Silva, Martins da Costa e Júlio Resende. Os primeiro e terceiro títulos são primeiras exibições na Cinemateca. David Santos, diretor do Museu Nacional de Arte Contemporânea, apresenta a sessão.

http://www.cinemateca.pt/programacao.aspx?id=4204&ciclo=492

segunda-feira, 22 de junho de 2015

HOJE: os filmes do Porto na Cinemateca

22-06-2015, 18H30 | SALA LUÍS DE PINA
REVER MANUEL GUIMARÃES

EM COLABORAÇÃO COM O MUSEU DO NEO-REALISMO
AS CORRIDAS INTERNACIONAIS DO PORTO | O PORTO É CAMPEÃO! | A COSTUREIRINHA DA SÉ
duração total da sessão: 117 min | M/12


AS CORRIDAS INTERNACIONAIS DO PORTO
Portugal, 1956 – 12 min
O PORTO É CAMPEÃO!
Portugal, 1956 – 5 min
de Manuel Guimarães
A COSTUREIRINHA DA SÉ
de Manuel Guimarães
com Maria de Fátima Bravo, Alina Vaz, Jacinto Ramos, Baptista Fernandes, Carlos José Teixeira e Costinha
Portugal, 1958 – 100 min

Adaptação de uma opereta, A COSTUREIRINHA DA SÉ foi um projeto fracassado de filme de sucesso, crónica bairrista do Porto com uma cançonetista da moda no papel principal, interpretada por Maria de Fátima Bravo. Entre a faina da cidade, a observação social e a ingenuidade amorosa, a quarta longa-metragem de Manuel Guimarães (que também assina produção, planificação e montagem), distingue-se na bela fotografia de Perdigão Queiroga e nas suas belas cores (em scope, Eastmancolor). A apresentar numa cópia resultante do processo de preservação de 1997. A sessão abre com duas curtas-metragens “portuenses e desportivas” de 1956, produzidas para a Lisboa Filme: AS CORRIDAS INTERNACIONAIS DO PORTO, “uma reportagem de Manuel Guimarães” sobre uma prova automobilística de Fórmula 1 realizada na cidade (a apresentar em cópia nova, numa primeira exibição na Cinemateca); O PORTO É CAMPEÃO!, que dá a ver imagens decisivas de um jogo de futebol em que o FCP se sagrou campeão nacional.

Rever Manuel Guimarães na Cinemateca


Exposição no primeiro andar.
Segunda parte da retrospectiva até 30 de Junho.
Programação aqui: http://www.cinemateca.pt/Programacao.aspx?ciclo=492

sexta-feira, 12 de junho de 2015

HOJE: Estivadores e companhia nos cais de Lisboa


12-06-2015, 18H30 | SALA LUÍS DE PINA
REVER MANUEL GUIMARÃES

EM COLABORAÇÃO COM O MUSEU DO NEO-REALISMO

TRÁFEGO E ESTIVA | VIDAS SEM RUMO
duração total da sessão: 90 min | M/12
TRÁFEGO E ESTIVA
de Manuel Guimarães
Portugal, 1968 – 17 min
VIDAS SEM RUMO
de Manuel Guimarães
com Milú, Eugénio Salvador, Artur Semedo, Madalena Sotto, Jacinto Ramos
Portugal, 1956 – 73 min

Manuel Guimarães tentou com SALTIMBANCOS (1951) uma tangente ao movimento literário neorrealista português (o filme inspirava-se num romance de Leão Penedo e teve como diretor de produção outro nome ligado ao movimento, Rogério de Freitas) e à nova escola cinematográfica italiana do pós guerra. O fraco acolhimento ao filme não impediu Manuel Guimarães de voltar a explorar aquele caminho em VIDAS SEM RUMO, inspirado num conto seu (Pardal & C.ª) mas com diálogos, argumento, montagem e planificação de Alves Redol, outro expoente do neorrealismo literário português. Segundo Luís de Pina, o resultado foi “uma crónica jornalística de um bairro pobre que a Censura tornou irreconhecível, filme de grandes contrastes, irregular, mas muito pessoal.” A apresentar numa cópia resultante do processo de preservação de 1996. A abrir a sessão, em “rima portuária” com VIDAS SEM RUMO, TRÁFEGO E ESTIVA (produzido por Ricardo Malheiro): título de importância histórica como o primeiro filme português originalmente filmado em 70mm. Iminentemente publicitário, mostrando as atividades de estiva do porto de Lisboa do ponto de vista da sua eficácia e do progresso, é um filme de belas imagens (em scope) e música de Carlos Paredes.

http://www.cinemateca.pt/programacao.aspx?id=4202&date=2015-06-12


quinta-feira, 11 de junho de 2015

HOJE: Curtas-metragens de Manuel Guimarães (1)


11-06-2015, 18H30 | SALA LUÍS DE PINA
REVER MANUEL GUIMARÃES

EM COLABORAÇÃO COM O MUSEU DO NEO-REALISMO
MANUEL GUIMARÃES | CURTAS-METRAGENS DOURO E MINHO
duração total da projeção: 50 min | M/12
sessão apresentada por Sofia Sampaio
BARCELOS
Portugal, 1961 – 11 min
PORTO – CAPITAL DO TRABALHO
Portugal, 1961 – 14 min
VINHOS BI-SECULARES
Portugal, 1961 – 11 min
TAPETES DE VIANA DO CASTELO
Portugal, 1967 – 14 min
de Manuel Guimarães

O alinhamento da sessão reúne quatro títulos documentais de curta-metragem realizados por Manuel Guimarães nos anos sessenta e centrados na região do Douro e Minho. Patrocinado pela Câmara Municipal e Comissão de Turismo de Barcelos, o primeiro regista aspectos da região e a anual Festa das Cruzes. PORTO – CAPITAL DO TRABALHO refere a realidade económica e laboral da cidade. VINHOS BI-SECULARES centra-se na produção e cultivo do vinho do Porto e foi, como os anteriores, produzido pelo realizador. TAPETES DE VIANA DO CASTELO foi realizado para o produtor Ricardo Malheiro, e retrata atividades da confeção e indústria da tapeçaria no distrito de Viana do Castelo. À exceção deste último, são primeiras exibições na Cinemateca.

terça-feira, 9 de junho de 2015

HOJE: Nazaré, 18h30 na Cinemateca

09-06-2015, 18h30 | Sala Luís de Pina
Rever Manuel Guimarães  


Em colaboração com o Museu do Neo-Realismo
 
NAZARÉ
de Manuel Guimarães
com Virgílio Teixeira, Helga Liné, Artur Semedo
Portugal, 1952 - 84 min | M/12
 
Plasticamente, NAZARÉ aproxima-se dos clássicos de Leitão de Barros MARIA DO MAR e ALA-ARRIBA!, e apresenta afinidades com o neorrealismo italiano no modo como explora os conflitos entre pescadores bem como a sua umbilical ligação ao lugar a que pertencem. Longe do folclore pitoresco associado pelo Estado Novo à Nazaré, é sobretudo na sua comunidade e na sua dimensão trágica que Guimarães se centra. Alves Redol escreveu o argumento e os diálogos, num filme muito massacrado pela censura. A apresentar numa cópia resultante do processo de preservação de 1996. A sessão inclui imagens de uma apresentação do filme por Manuel Guimarães na RTP.

http://www.cinemateca.pt/programacao.aspx?id=4200&ciclo=492

Exposição sobre Manuel Guimarães

Na Cinemateca, a acompanhar o ciclo de cinema, uma exposição sobre a obra de Manuel Guimarães, com curadoria de Leonor Areal e pesquisa de Carlos Braga, Miguel Cardoso e Rafael Prata.


Uma antevisão em miniatura do que será a exposição no Museu do Neo-Realismo a inaugurar em 17 de Outubro.

segunda-feira, 8 de junho de 2015

HOJE: Saltimbancos, às 21h30 na Cinemateca

08-06-2015, 21h30 | Sala M. Félix Ribeiro
Manuel Guimarães – Abertura  


Em colaboração com o Museu do Neo-Realismo

SALTIMBANCOS
de Manuel Guimarães
com Maria Olguim, Helga Liné, Artur Semedo, Fernando Gusmão
Portugal, 1951 - 92 min | M/12

Primeira longa-metragem de Manuel Guimarães (também produtor), SALTIMBANCOS marcou a diferença no cinema português do começo da década de cinquenta relativamente às comédias "à portuguesa" que então se faziam, procurando aproximar-se dos modelos do neorrealismo italiano, numa história adaptada do romance O Circo, de Leão Penedo, sobre a vida e a morte de uma companhia de saltimbancos. A apresentar em cópia resultante de um processo de preservação de 2005.
http://www.cinemateca.pt/programacao.aspx?ciclo=490

Início da retrospectiva integral


Cinemateca e Museu do Neo-realismo homenageiam cineasta Manuel Guimarães


A Cinemateca Portuguesa vai homenagear Manuel Guimarães com uma retrospetiva integral da sua obra, a partir de hoje, iniciativa realizada em colaboração com o Museu do Neo-Realismo, no centenário do nascimento do cineasta, anunciou o Museu do Cinema.

A retrospetiva na Cinemateca antecede uma exposição no Museu do Neo-realismo, em Vila Franca de Xira, intitulada "Manuel Guimarães, sonhador indómito", que vai ser inaugurada no dia 18 de outubro, segundo o museu.
A exposição, com curadoria de Leonor Areal, vai estar aberta ao público até 28 de fevereiro de 2016.
O ciclo "Rever Manuel Guimarães", na Cinemateca, permite rever o percurso do cineasta que se destacou pela aplicação dos princípios ideológicos do neorrealismo à sétima arte, da qual fazem parte os filmes "Nazaré" (1958) e "O Crime de Aldeia Velha" (1968).
A sessão de abertura está marcada para as 21:30, com a exibição de "Saltimbancos", a primeira longa-metragem de Manuel Guimarães, filme "que marcou a diferença no cinema português do começo da década de 1950, relativamente às comédias `à portuguesa` que então se faziam, procurando aproximar-se dos modelos do neorrealismo italiano", realça o comunicado.
A Cinemateca refere que Manuel Guimarães é "um dos mais incompreendidos e mais injustamente desconhecidos realizadores portugueses, cuja obra é urgente rever e redescobrir".
"Rever Manuel Guimarães" vai decorrer até ao próximo dia 30, na sala Luís de Pina, da Cinemateca Portuguesa, em Lisboa.

http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=776608
http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=835028&tm=4&layout=121&visual=49
http://visao.sapo.pt/cinemateca-e-museu-do-neo-realismo-homenageiam-cineasta-manuel-guimaraes=f822052

CICLO Rever Manuel Guimarães

No centenário do nascimento de Manuel Guimarães (1915-1975), a Cinemateca homenageia o realizador com uma retrospetiva integral da sua obra, numa iniciativa realizada em colaboração com a Câmara Municipal de Vila Franca de Xira / Museu do Neo-Realismo, no contexto da exposição que ali será inaugurada a 17 de Outubro próximo - Manuel Guimarães, Sonhador Indómito, com curadoria de Leonor Areal - e da edição do catálogo dessa exposição que contará com o apoio da Cinemateca. Um dos mais incompreendidos e mais injustamente desconhecidos realizadores portugueses, a cuja obra a Cinemateca dedicou uma primeira retrospetiva em 1997 (“Manuel Guimarães: A Travessia do Deserto”), Manuel Guimarães é um nome incontornável na história do cinema português e o autor de uma obra importante que é urgente rever e redescobrir.

Manuel Guimarães acolheu nos seus filmes influências e referências das mais variadas proveniências, da literatura à pintura e, no cinema, do expressionismo alemão ao realismo poético francês, do cinema soviético ao cinema clássico americano. Os seus filmes tocam, ainda, tanto a mensagem social como o musical escapista, o neorrealismo e o fantástico, o melodrama e a comédia, a penúria de meios técnicos de uma rodagem artesanal ou a grande produção comercial experimentando novas tecnologias como o CinemaScope, a cor e o 70mm.

Nascido em 1915, em Vale Maior (Albergaria-a-Velha), estudou na Escola de Belas-Artes do Porto, mantendo ao longo de toda a vida uma ligação importante à pintura, às artes gráficas, à ilustração e ao caricaturismo. Foi assistente de realização de Manoel de Oliveira durante a rodagem de ANIKI-BOBÓ (1942) e, depois disso, trabalhou com António Lopes Ribeiro, João Moreira, Jorge Brum do Canto, Armando Miranda e Arthur Duarte. A sua primeira curta-metragem, O DESTERRADO, sobre o escultor Soares dos Reis, foi considerada o melhor documentário português de 1949 e chamou a atenção para o novo realizador. As primeiras longas-metragens – SALTIMBANCOS, NAZARÉ e VIDAS SEM RUMO (1951/52/56) – foram produzidas em condições financeiras e técnicas precárias, tendo sido extensamente mutiladas pela censura e dividido uma crítica polarizada que apenas conseguiu ver nelas um “equívoco neorrealista” ou outro “falso arranque” da desejada renovação do cinema português. Estes filmes foram, no entanto, as obras mais originais e mais arrojadas da década de cinquenta, obrigando a uma revisão urgente das interpretações que remetem esta época apenas a um período negro do cinema português ou a uma mera antecâmara da renovação do Cinema Novo na década seguinte.

Endividado e muito desmoralizado com as reações negativas aos seus primeiros filmes e esgotado após o longo período de refilmagem de VIDAS SEM RUMO a que a censura o obrigara, Manuel Guimarães abandona temporariamente o cinema, vendo-se forçado a aceitar, em 1958, a realização de A COSTUREIRINHA DA SÉ, veículo de grande espetáculo para a estrela do nacional-cançonetismo Maria de Fátima Bravo. O filme foi arrasado pela crítica, insensível ao retrato de um país em mudança que ali também se representava, e Guimarães ganha a reputação de cineasta maldito.

Anos depois, a sua carreira teria um momento de relançamento graças ao produtor António da Cunha Telles, para quem realiza O CRIME DE ALDEIA VELHA (1964), adaptação da peça homónima de Bernardo Santareno. Mas O TRIGO E O JOIO (1965), adaptação de Fernando Namora, é novamente mutilado pela censura e atacado pela crítica. Empurrado para a realização de curtas-metragens de encomenda, Manuel Guimarães dedicar-se-ia ao género com empenho, assinando para o SNI, a RTP e o produtor Ricardo Malheiro mais de uma dezena de documentários, entre os quais se destacam vários sobre o mundo da arte, como ANTÓNIO DUARTE, FERNANDO NAMORA, RESENDE (1969) ou CARTA A MESTRE DÓRDIO GOMES (1971); sobre o trabalho, como TAPETES DE VIANA DO CASTELO (1967), ou ainda TRÁFEGO E ESTIVA (1968), o primeiro filme em 70mm realizado em Portugal.

Em 1972, a comédia LOTAÇÃO ESGOTADA voltaria a penalizá-lo aos olhos do público e, sobretudo, da crítica que o acusou de insistir num género desusado numa altura em que se estreavam obras emblemáticas do cinema moderno português como UMA ABELHA NA CHUVA e O PASSADO E O PRESENTE (1971).

CÂNTICO FINAL (1975), último filme de Guimarães, adapta o romance homónimo de Vergílio Ferreira. Terminado pelo seu filho, Dórdio Guimarães, faz ressoar na vida do seu protagonista os últimos anos de Manuel Guimarães. Tocante reflexão biográfica, CÂNTICO FINAL é a súmula perfeita de uma vida norteada por um sentido ético inflexível e de uma obra desalinhada dos padrões críticos da sua época, mutilada pela censura e menosprezada pela história do cinema, mas sempre caracterizada por uma grande dignidade artística.

A sessão de abertura, com SALTIMBANCOS, tem lugar na sala M. Félix Ribeiro, às 21h30 de 8 de junho (ver entrada respetiva).

de http://www.cinemateca.pt/programacao.aspx?ciclo=492

domingo, 7 de junho de 2015

Centenários de Manuel Guimarães e de Mario Monicelli assinalados na Cinemateca

Um português que aplicou os princípios ideológicos do neo-realismo ao cinema; um italiano que deles se quis autonomizar e assim ajudou a inventar a chamada "comédia à italiana"

Cartaz de Os Saltimbancos DR
A Cinemateca Portuguesa vai homenagear Manuel Guimarães, a partir desta segunda-feira, com uma retrospectiva integral da sua obra, em colaboração com o Museu do Neo-Realismo, no centenário do nascimento do cineasta.
O ciclo Rever Manuel Guimarães vai permitir a reconstrução do percurso do cineasta, que se destacou pela aplicação dos princípios ideológicos do neo-realismo à Sétima Arte, nomeadamente a denúncia das desigualdades sociais, patente em filmes como Nazaré (1952), com argumento de Alves Redol, Vidas Sem Rumo (1953-56), ou O Crime de Aldeia Velha (1964).
A sessão de abertura está marcada para segunda-feira, dia 8, às 21h30, com a exibição de Saltimbancos (1951), primeira longa-metragem de Manuel Guimarães, filme "que marcou a diferença no cinema português do começo da década de 1950, relativamente às comédias 'à portuguesa que então se faziam, procurando aproximar-se dos modelos do neo-realismo italiano", realça o comunicado da Cinemateca Portuguesa - Museu do Cinema a apresentar o ciclo.
Manuel Guimarães é "um dos mais incompreendidos e mais injustamente desconhecidos realizadores portugueses, cuja obra é urgente rever e redescobrir", lembra ainda a Cinemateca sobre o realizador que surge nos anos de 1950, antes da emergência do Cinema Novo da década de 1960.
Nascido na região de Albergaria-a-Velha, em 1915, Manuel Guimarães iniciou a carreira no cinema, integrado nas equipas de Manoel de Oliveira (de quem foi assistente de realização, em Aniki-Bóbó, em 1942), Brum do Canto ou Arthur Duarte, depois do curso de Pintura da Escola de Belas Artes do Porto.
Realizou o primeiro filme em 1949, a curta-metragem O Desterrado, sobre o escultor Soares dos Reis. Seguir-se-ia Saltimbancos, de 1951, que adaptava o romance de Leão Penedo. Acentuou a crítica social em Nazaré, sobre o dia-a-dia dos pescadores, e em Vidas Sem Rumo, centrado nas comunidades mais pobres de Lisboa, obras que o transformaram em alvo da censura e da ditadura do Estado Novo.
Para sobreviver, passou a dirigir filmes comerciais e reportagens de acontecimentos desportivos. Foi nesse contexto que surgiu A Costureirinha da Sé (1958), exemplar tardio da comédia "à portuguesa", já em registo de filme-opereta, filmado na zona histórica do Porto e marcado por um apurado trabalho da cor.
Na década de 1960, dirigiu O Crime da Aldeia Velha (1964), sobre a peça homónima de Bernardo Santareno, e "O Trigo e o Joio (1965), a partir do romance de Fernando Namora.
O documentário, porém, dominava a sua actividade regular: produções de arte para a RTP e filmes sobre temas como os tapetes de Viana do Castelo, o ensino das Belas Artes, o escritor Fernando Namora, o escultor António Duarte, os pintores Dórdio Gomes e Júlio Resende, ou Areia Mar Mar Areia, já da década de 1970.
Tráfego e Estiva (1968), curta-metragem sobre Lisboa ribeirinha, com música de Carlos Paredes e narração de Luís Filipe Costa, foi o primeiro filme português rodado em 70 milímetros.
Em 1972, Manuel Guimarães ensaiaria a comédia em Lotação esgotada". Mas foi com Cântico Final (1975), a partir do romance de Vergílio Ferreira, que fez ressoar, no protagonista, os seus últimos anos de vida, como destaca a Cinemateca, na apresentação da obra. "Tocante reflexão biográfica", escreve a instituição, Cântico Final é a súmula perfeita de uma vida norteada por um sentido ético inflexível e uma obra desalinhada dos padrões críticos da sua época, mutilada pela censura e menosprezada pela história do cinema, mas sempre caracterizada por uma grande dignidade artística".
Manuel Guimarães morreu em Janeiro de 1975, aos 59 anos. A montagem de Cântico Final foi concluída por seu filho, Dórdio Guimarães.
O ciclo Rever Manuel Guimarães vai decorrer até 30 de Junho, na Sala Luís de Pina. A retrospectiva antecede a exposição Manuel Guimarães, sonhador indómito, com curadoria de Leonor Areal, que será inaugurada a 18 de Outubro no Museu do Neo-realismo, em Vila Franca de Xira, onde ficará até 28 de Fevereiro de 2016.

sábado, 6 de junho de 2015

Cântico Final (1974-75)

Em 1974, João Alves da Costa fazia um balanço da obra de Manuel Guimarães e do seu «esquecimento» pela História:
«Na história do cinema português, o nome Manuel Guimarães figura como um caso exemplar. “Saltimbancos” e “Nazaré” constituem dois significativos marcos da estética do neo-realismo. Guimarães, companheiro de geração de Redol, de Manuel da Fonseca, de Namora, de Carlos de Oliveira e de Vergílio Ferreira, foi a grande aposta de um cinema comprometido com as esperanças do homem nacional. Todavia, a História não é historicista; e, depois do apogeu, decorreram anos de (quase) esquecimento. Entretanto, a mais jovem crítica cinematográfica reclama, agora, Manuel Guimarães como figura central do movimento neo-realista. E o cineasta, sempre a caminho, fiel aos princípios que decorrem de uma convicção, vai filmar “Cântico Final”, precisamente baseado num romance de um antigo companheiro de jornada: Vergílio Ferreira» (Diário Popular, 1974).

O último filme, Cântico Final (1975), seria uma espécie de testamento estetico-político, mas Manuel Guimarães não pôde acabá-lo e a montagem foi concluída por seu filho, Dórdio Guimarães, que não soube talvez corresponder à ideia do autor; é um filme imperfeito e por isso difícil de avaliar.

Depois da morte, Guimarães é recordado por Baptista Rosa como «uma figura estranha, triste e quase envergonhada»: «Vimo-lo, com aquele sorriso triste, enfrentar as maiores dificuldades. Não ter dinheiro para comer, mas não perder o entusiasmo por um projecto no qual confiava em absoluto. E lá ia fazendo os seus filmes» (Plateia, 1975). É esta imagem do realizador esforçado mas frustrado que irá tingir - injustamente - a sua memória.

Lotação Esgotada (1972)


A sétima longa-metragem de Manuel Guimarães, Lotação Esgotada (1972), é uma sátira ao poder patriarcal e às hierarquias do poder local. Mas, no meio da torrente de filmes dos inícios de 70 e já depois de afirmada a nova vaga portuguesa, este filme parece passar um tanto desapercebido. Dirá Lauro António:

«Lotação Esgotada é uma comédia com coisas bastante interesantes e outras profundamente falhadas. O melhor que poderemos dela dizer é que se vê sem que nos envergonhemos (nós, público) e sem que o realizador saia envergonhado. Nada traz de novo, mas tenta assimilar um certo tipo de liberdades narrativas que não deixam de ser uma agradável surpresa, vindas, como vêm, de um realizador que trabalha o cinema há mais de trinta anos» ( Diário de Lisboa, 16-5-1972).

Afonso Cautela é menos benévolo e pretendia uma sátira mais actual, apontada aos “pequeno-burgueses”:
«Chegamos a lamentar que, com um pouco mais de ambição, de tempo e de métier e de liberdade na realização, Manuel Guimarães não tivesse conseguido o filme interessante que esteve a pique de conseguir, e um verdadeiro retrato da vida portuguesa ao nível dos hábitos pequeno-burgueses (...)» (A Capital, 1972).

Continua a ser flagrante e inexplicável a incompreensão que o crítico mostra em relação à acção da censura sobre a obra cinematográfica, acção repressiva que ele, como jornalista, não podia deixar de conhecer por experiência própria...

Mas é Luís de Pina que, à época, reconhece neste filme o seu valor crítico, dizendo-o «uma peça do mais puro humor negro», uma «sátira de costumes» e uma «sátira social»:
«Torna-se evidente, do ponto de vista social, a crítica ao despotismo, na figura do presidente da câmara que se acha vítima da sua própria ambição, da sua intolerância, do seu desejo de facha-
da» (Observador, 1972).

Anúncio no Diário de Lisboa, em 11-5-1972.

quinta-feira, 4 de junho de 2015

Homenagem a Manuel Guimarães no Museu do Neo-Realismo


No âmbito do Centenário do Nascimento de Manuel Guimarães (1915-1975), o Museu do Neo-Realismo homenageia o realizador, nome incontornável da história do cinema português, através da realização da exposição - “Manuel Guimarães, sonhador indómito”, que irá inaugurar no dia 17 de Outubro.

Esta exposição conta com a colaboração da Cinemateca, que irá também homenagear o realizador, com uma retrospectiva integral da sua obra “Rever Manuel Guimarães”, a decorrer entre 8 e 30 de Junho.

A sessão de abertura desta retrospectiva decorre a 8 de junho na Cinemateca, pelas 21h30, com a exibição de “Saltimbancos”, a primeira longa-metragem de Manuel Guimarães, que marcou a diferença no cinema português do começo da década de cinquenta relativamente às comédias “à portuguesa” que então se faziam, procurando aproximar-se dos modelos do neo-realismo italiano.

Na fotografia: Maria Olguim, Dórdio Guimarães, Carlos de Arbués, Almeida Santos, Manuel Guimarães, Alves Redol e Helga Liné.

terça-feira, 2 de junho de 2015

O Trigo e o Joio (1965)


Em 1965, O Trigo e o Joio, baseado no romance homónimo de Fernando Namora, foi produzido em regime de cooperativa, destacando-se neste empreendimento colectivo a participação de Igrejas Caeiro, Fernando Namora e António da Cunha Telles.

Na sua crítica, Manuel de Azevedo, embora reticente, destaca essa qualidade "humana":
«Não será talvez um “grande filme” – num sentido ambicioso de estilo cinematográfico. Mas é de certo, um filme de mérito indiscutível, obra de equipa, onde há que aplaudir a humanidade de cada um. E nessa contribuição de sacrifício individual está, porventura, a maior qualidade de “O Trigo e o Joio” – caminho válido e seguro (embora não único) do cinema português, que não pode, sem perigo de esterilidade, ignorar a realidade portuguesa».

Azevedo comenta também o aspecto estético:
«Em “O Trigo e o Joio”, Manuel Guimarães demonstrou já um amadurecimento que lhe permitiu evitar alguns dos seus maiores defeitos: a retórica cinematográfica. O filme resulta, deste modo, numa obra equilibrada, expressiva, com qualidades espectaculares dignas de aplauso. (...) Filme sem ousadias formais, sem um estilo ambicioso, impõe-se pelo acerto e pela simplicidade da generalidade das sequências, em que a história corre sem grandes oscilações» (Diário de Lisboa, 10-11-1965).

De facto, o filme aparenta uma evolução narrativa que se aproxima mais do idioma do cinema novo, nomeadamente pelo uso de elipses; todavia, esta impressão revelou-se errónea após análise dos cortes da censura que, eles sim, foram os responsáveis pelas «elipses». Este foi mais um filme impiedosamente torturado pela Censura.

Nos anos 60, Guimarães aperfeiçoa a sua matriz clássica e mantém-se fiel a uma estrutura narrativa que usa formas clássicas essenciais, tanto ao nível do argumento e da composição dramatúrgica, como nas opções cinematográficas.
 
Texto compilado a partir de «Um neo-realismo singular: o cinema de Manuel Guimarães», de Leonor Areal, in Actas das II Jornadas de Cinema Português, UBI, 2011.

Anúncio de estreia no Diário de Lisboa em 9-11-1965.

segunda-feira, 1 de junho de 2015

O Crime de Aldeia Velha (1964)



Em 1964, Guimarães volta a filmar uma longa-metragem. O Crime de Aldeia Velha foi produzido por António da Cunha Telles, o que indicia algum apreço da geração do Novo Cinema pela obra do veterano. Por este filme, Guimarães receberá bastos encómios:

«Baforada de dignidade artística no cinema português» intitulava-se a crítica onde F. Xavier Pacheco assinala o reaparecimento de Manuel Guimarães «da melhor forma» e afirmando que «O Crime de Aldeia Velha supera Saltimbancos, cotando-se como o melhor filme da sua carreira» (in Jornal de Notícias, Porto, 21-11-1964).

«Em boa hora Manuel Guimarães, cuja intuição plástica e senso dramático poderosamente aqui se afirmam, escolheu para uma película de ressurreição nacional a mais clamorosa peça desse rapsodo das autênticas grandezas e misérias do nosso povo que é Bernardo Santareno. (...) Perante a irresistível maré de mistério, de irracionalidade medieval, que o realizador foi capaz de canalizar até nós sem tropeçar sequer na sequência tão difícil das aparições, há que reconhecer, sim, em O Crime da Aldeia Velha, uma obra cinematográfica de ressonâncias universais» (Urbano Tavares Rodrigues in Diário de Lisboa, 1964).

«Manuel Guimarães conseguiu, na nossa opinião, um dos seus melhores filmes. A sequência final é digna de figurar numa antologia do cinema português (...). Não sendo um filme moderno – no sentido em que Belarmino o era, isto é, como linguagem – O Crime situa-se a um nível, diremos, académico, com o qual é preciso contar, em qualquer cinematografia, e que convém intensificar (Lauro António in O Tempo e o Modo, n.º 23, 1965, p.100).

Continua sempre a haver críticas de grande severidade, como a de Manuel de Azevedo, que - apesar de anteriormente ter colaborado com Manuel Guimarães em A Costureirinha da Sé - aqui considerava que ainda eram «visíveis muitas falhas de gosto, demagogias e certo estilo palavroso de dramalhão ambicioso» (elogiando por contraste o filme seguinte, O Trigo e o Joio, in Diário de Lisboa, 10-11-1965).

Texto compilado a partir de «Um neo-realismo singular: o cinema de Manuel Guimarães», de Leonor Areal, in Actas das II Jornadas de Cinema Português, UBI, 2011.